terça-feira, 8 de janeiro de 2019

Dicas para manter seus colaboradores motivados!

Um desafio e tanto para o empreendedor, é manter sua equipe sempre motivada. Durante essa fase de recessão, a dificuldade é ainda maior.
Colaboradores com problemas financeiros e sempre preocupados com a instabilidade econômica, tendem a perder o foco e o estímulo.
Se a equipe não estiver engajada e motivada, a empresa tem muito a perder. A chave para conseguir incentivar seus funcionários é pensar no que você pode fazer para deixá-los felizes. Algumas simples estratégias funcionam muito bem:
  1. Não reúna os colaboradores apenas para dar bronca ou chamar atenção. Aproveite o momento e faça elogios direcionados. As pessoas adoram ser elogiadas perto das outras;
  2. Procure quebrar um pouco o relacionamento formal e profissional. Aproxime-se dos seus colaboradores de forma pessoal, procurando conhecer um pouco da sua história do lado de fora. Ouvi-los, faz muito bem a eles;
  3. Estimule a capacitação e o desenvolvimento do profissional. Existem diversas formas baratas e eficientes para tal. Dessa forma o colaborador se sentirá valorizado e o engajamento será natural;
  4. Caso haja espaço, crie um ambiente "relax", para que todos saiam da rotina e possam "quebrar" as regras. Uma sala com TV ou qualquer forma de entretenimento, também é bastante relevante;
  5. Proponha metas e pequenos desafios de curto prazo e os recompense por isso;
  6. Faça-os entender que, mesmo que estejam ali só de passagem, sempre terá algo muito importante para se aprender. Valorize cada dia, cada dificuldade superada e colherá os frutos lá na frente.
Uma equipe feliz, gera resultados mais rápidos e mais eficazes. Muitas pessoas passam mais tempo na empresa do que na própria casa, portanto, mante-las motivadas é uma tarefa contínua e frequente.

Fernando Meira
Consultor eConexão

quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

Planejamento Estratégico. Uma aula de gestão através do futebol.

Como uma partida de futebol pode se tornar uma grande lição de estratégia e gestão empresarial
Neste período de festas de final de ano, o nosso querido futebol está em férias. Os grandes times estão parados, jogadores descansando, técnicos e dirigentes pensando em novas contratações. Porém, como gosto muito desse esporte, lembrei-me de uma lição aprendida, neste ano, quando fui a um jogo entre Corinthians e São Paulo, no estádio Itaquerão, na Zona Leste de São Paulo.
Os dois times disputavam uma vaga na final do campeonato. O São Paulo, time para o qual torço, tinha conseguido uma relativa vantagem no primeiro jogo. Por essa razão, imaginei que o time entraria em campo com um PLANEJAMENTO ESTRATEGICO bem definido.
Então, resolvi compartilhar com vocês meu ponto de vista.
Da forma que o São Paulo jogou, arrisco a dizer que o PLANO DE ACAO estava bem desenhado e que cada jogador sabia o exatamente o que deveria fazer.
Marcaram a saída de bola do adversário, anularam os pontos fortes do Corinthians e jogaram com o regulamento “embaixo do braço”.
Foram assim até o último minuto. Estavam segurando o resultado que garantia a vaga do time para a grande final.
Neste momento, um “problema” apareceu. O juiz deu acréscimo de mais 5 minutos. Foi uma VARIÁVEL EXTERNA que, muitas vezes, não estava prevista, planejada.
Desgastados pela entrega enorme e já com o “falso” sentimento de missão cumprida, os jogadores do São Paulo viram todo o esforço de 92 minutos não valer de nada. O time levou o gol, e a disputa foi para as penalidades máximas.
O time fracassou, provavelmente, por cometer um erro clássico: RELAXAR ANTES de ACABAR. No entanto, como em qualquer negócio, poderia haver uma saída. Neste caso, o time teria que ser, mais uma vez, mais competente que o concorrente.  Bastava retomar a concentração e converter todos os pênaltis. Mas não foi o que aconteceu.
Com a confiança abalada, as PESSOAS responsáveis pela missão de recuperar o tropeço recente, foram lá e não desempenharam como deveriam. O time perdeu uma chance incrível e deixou passar a OPORTUNIDADE da superação.
O que restou ao São Paulo foi parabenizar o concorrente que tem, em sua CULTURA ORGNIZACIONAL o espirito de se entregar até o fim, até o último segundo.
Depois de ouvir brincadeiras o dia todo por conta da derrota do meu time, resolvi avaliar qual foi a lição aprendida.
E o fato é, VENCE quem luta, planeja, mantém a concentração e é competente. Não tem milagre. Só dá para relaxar por completo, depois de gozar. E isso serve para tudo.
Se não for com empenho até o fim, de nada adianta. Ficará sempre o gostinho do quase, e ainda com as famosas desculpas de que sofreram um “imprevisto”.
RESUMO: fiquei muito bravo com a derrota de meu time, mas feliz com a reflexão.
E você: planeja tudo, mas se abala e perde a concentração com imprevistos e com a força da concorrência? Como você quer gerir a sua empresa: no mundo real ou no mundo apenas do papel? Reflita!

sexta-feira, 21 de dezembro de 2018

Seja bem vindo 2019!!!

O ano de 2018 foi bastante desafiador para o empreendedor. “Insegurança” foi a palavra central.
2019 será um ano aonde todos esperam ver mudanças. O mercado está mais otimista, a tendência do aumento no consumo já está sendo percebida neste Natal. Mas para que possamos evitar as mesmas dificuldades de 2018, será que podemos fazer algo? O que os empresários precisam para que possam crescer ainda no primeiro semestre?

– Melhorar a gestão no caixa, planejando redução de custos e otimizando os gastos?
– Renovar o ânimo da equipe, com cursos de desenvolvimento pessoal e motivacional?
– Melhorar e impulsionar a imagem da empresa e produtos, com estratégias de marketing?
– Desenvolver o empresário em si, para começar o ano com melhor nível de gestão?
– Fortalecer o time comercial e as estratégias para aumentar as vendas?
– Estudar o segmento e o mercado de atuação, para preparar uma expansão?
– Etc….

Muitas dúvidas ainda pairam no ar, sobre “por onde começar, ou mesmo por onde recomeçar”? Não podemos ficar de braços cruzados esperando a boa onda, temos que agir. Aprender com os erros e as dificuldades dos anos anteriores e olhar sempre para frente!! Novos desafios e novas oportunidades chegarão e somente os que estiverem preparados surfarão.

Coloque em um papel pequenas frases, que lhe ajudarão a encontrar o caminho e lhe darão uma melhor visão do que terá pela frente e como agir:

1) Aonde estamos? Qual a situação atual?
2) Quais erros e desafios passados que temos que evitar em 2019?
3) Para onde vamos, quais nossos objetivos?
4) Qual caminho será tomado até o objetivo e como construi-lo?
5) Quais as oportunidades e quais os desafios que teremos pela frente?
6) Entrar em ação!!!

A palavra que escolhi para 2019 chama-se “AÇÂO”. Planejar e entrar em ação será o foco para um novo ano. Sentar e esperar passar a crise, ou aguardar pela boa onda, podem ser fatal!!!

Fernando Meira
Consultor eConexão

terça-feira, 20 de novembro de 2018

O que você busca em um produto ou serviço? Preço ou Valor?

É fato que todos os consumidores, sejam pessoas físicas ou jurídicas, quando buscam por produtos ou serviços, sempre se preocupam com preço baixo. Esse comportamento é comum.

Preço é o que se paga e valor o que se leva para casa.

A dificuldade de uma empresa ou mesmo de um vendedor, é diferenciar preço de valor. Quanto custa o seu produto em valor monetário, pode ser muito diferente do valor que ele entrega.

Geralmente nos apegamos sempre ao valor monetário e acabamos abrindo mão do valor real. Daí surgiu o ditado popular "O barato sai caro". A tendência é exatamente essa, por mais que não seja  uma regra geral. Quando se tem valor envolvido (qualidade, tecnologia, técnicas, conhecimento, diferenciais etc..) o preço tende a subir.

Dentro de um produto, temos muito valor o qual é intangível e um primeiro momento. Portanto, cabe ao vendedor e ao comprador, saber identificar todo valor que contém em seu produto ou serviço, independente do preço.

Por isso a importância de se conhecer muito bem o produto que se vende, a ponto de conseguir encontrar e justificar os valores neles contidos. Na maioria das vezes, o preço pode ser mais caro mas o valor não.

Que tipo de vendedor você é? Que tipo de consumidor você é? Que sempre opta pelo preço ou sabe buscar pelo valor?

O comportamento é o grande responsável pela experiência de compra e venda. Ele influencia diretamente no poder de decisão.

Fernando Meira


quinta-feira, 25 de outubro de 2018

Para quem você vende? Afinal, quem é o seu cliente?

Um importante detalhe, muitas vezes esquecido pelas empresas, quando o assunto é criar um planejamento de marketing e vendas com objetivo de aumentar o faturamento. 

Quem é o meu cliente? Aonde ele está e será que realmente precisa ou deseja o meu produto/serviço?

Quando traçamos uma matriz SOWT, muitas vezes o nosso real cliente, acaba ficando de fora. Você sabe como captar o cliente ideal para o seu negócio? Aonde ele está, o que ele pensa, o que faz, etc...?

Procurar entender e compreender o perfil do seu real consumidor, é algo fundamental, antes mesmo de iniciar um planejamento ou uma estratégia comercial/marketing.

Se não souber "para quem" vai vender e o "por quê", pare e reveja seus planos de ação. Há diversas formas de se aproximar do seu cliente potencial e conhece-lo melhor. A internet é um grande facilitador, para conhecermos o comportamento, desejos, costumes, rotinas e experiências do seu cliente.

Conhece-lo à fundo, ajudará não apenas a vender, mas sim a receber feedback quanto aos seus processos em um todo. Desde a criação de um produto ou serviço, até a entrega, instalação, atendimento, pós-venda etc.. O consumidor é fundamental para nos dar um direcionamento para todo processo produtivo.

Acredite, a aproximação e compreensão do perfil comportamental do seu cliente, lhe trará resultados mais rápidos e confiáveis.

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

Inbound ou Outbound Marketing? Qual Utilizar?

Essa dúvida é muito comum nas empresas, durante a criação do planejamento e estratégia de marketing. Vamos primeiramente, entender as diferenças entre Inbound e Outbound Marketing:

O marketing tradicional, denominado como Outbound, é aquele o qual a empresa vai até o cliente. Através dos canais mais comuns como TV, rádio, revistas, outdoor etc... as empresas levam informações sobre seus produtos aos clientes. O caminho conhecido como "In Side Out" ( De dentro para fora).

O mundo moderno e a tecnologia da internet, fez com que o comportamento do consumidor mudasse em relação à busca de informações. Desta forma, o cliente vêm até a empresa em busca de soluções. Seria o marketing inverso, denominado Inbound.

Isso quer dizer que devemos nos adaptar às mudanças e focar nossa estratégia no marketing moderno, ou seja, no Inbound Marketing??

Não necessariamente. O Marketing tradicional ainda é muito bem aceito, principalmente para aqueles consumidores que não estão totalmente adaptados ao mundo digital. Portanto, cabe a empresa analisar bem quem é o seu público alvo, quais seus comportamentos, para saber que tipo de estratégia utilizar. O ideal é poder somar as duas e assim potencializar o resultado. Se couber no seu orçamento, não abra mão de uma ou de outra, utilize ambas, dentro das suas limitações e claro, de acordo com o perfil do seu consumidor.

quinta-feira, 27 de setembro de 2018

Conceito de Branding - Gestão de Marca

Deseja tornar sua marca mais famosa e mais desejada pelos consumidores? O quê faz uma marca é mais desejada que a outra?

A construção e gestão de uma marca, é o conceito de "Branding". Torna-la diferente das concorrentes e atingir o nível de desejo do consumidor é um desafio e tanto. Marca na verdade é muito mais do que um nome ou um logo, mas sim um conjunto de fatores que a diferencia das demais.

Quem nunca ouviu a expressão "esse produto só tem marca"!! Muitas empresas atingem o nível de excelência em uma marca, que chega a ser maior do que o produto que ela entrega. A percepção de valor é maior e mais forte, quando se tem uma gestão de marca bem feita.

Não importa o que você vende, mas o porque você vende. Qual valor você entrega, qual a experiência e satisfação que você oferece. A real identificação com o seu consumidor é fundamental. Os grandes desafios de uma construção de marca é ser autêntico, provocar mudança nas vidas das pessoas, transmitir aos clientes os seus objetivos e valores, ser diferente, criar e atender expectativas, mostrar às pessoas a que você veio, porque você existe.

Tendo tudo isso muito claro na sua mente e na mente dos seus colaboradores, será mais fácil transmitir os conceitos aos clientes, através dos seus produtos. O trabalho é diário e o prazo é longo. Uma marca desejada não se constrói da noite para o dia. Seja transparente, ofereça ao cliente experiências de como se ele estivesse dentro da sua empresa, como se participasse do processo de criação e produção. Faça-o viver toda essa experiência e enxergar seu produto por outro lado.

O melhor influenciador da sua marca é o seu cliente. Ele satisfeito, propagará de forma natural toda experiência e satisfação que sua marca o ofereceu.